Sobre o Blog...

Encontro poético em que inexiste a cronologia dos poemas. Pensamos em deixar registrada uma obra que reúna qualidades individuais sob um mesmo timbre, nossa marca entendida lado a lado. Registro de luz em olhares gêmeos fecundados na sementeira do verso... Quatro mãos, uma Poesia, almas em parceria.
Miguel- & Karinna*

domingo, 14 de fevereiro de 2010

SEM QUE O PORQUÊ SE DESVENDE-

















Sem que o porquê se desvende-

Com o lápis traço o verso
Básicas são as cores
Preto em branco

Mas, nas rimas
O artifício
Do sol
Esplendoroso

Sei o quanto cria a imagem
E forma, espectro
Que morre e cresce

Alheios dia intenso
E noite plena
Enquanto gesto
Universo

Miguel-

*
Sol e Lua
rendidos
diluídos
em versos.
a rima distende-se
flutua delirante
aragem crente.
e dispa
não dissipa
colore
pontua
a desnuda
essência
sentida.
inquestionável
de cinza
o branco busca
a cor da poesia.
em preto
o colorido travestido
de vida socorre
transparece
a inspiração
...incontida.

Ka*

Um comentário:

Karinna* disse...

*Parceiro...essa interação nem lembrava!
Teus mimos são abraços.
Beijos
Ka*