Sobre o Blog...

Encontro poético em que inexiste a cronologia dos poemas. Pensamos em deixar registrada uma obra que reúna qualidades individuais sob um mesmo timbre, nossa marca entendida lado a lado. Registro de luz em olhares gêmeos fecundados na sementeira do verso... Quatro mãos, uma Poesia, almas em parceria.
Miguel- & Karinna*

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Segundo Coração* Enfeita-


*
Segundo Coração*

pontuando saudades
de partida para um lugar de maciez
levo tua existência para não morrer
de vazios e espaços
traço-te meu amor nas estrelas
que debruam meu céu num abraço
levo-te como se transportasse
um segundo coração
oxigenando essa amorosidade
sopro de vida
que lapida a cumplicidade
levo-te porque não há palavra
em demasia que verte
dos cântaros de barro da nossa poesia
levo-te no verso inacabado
porque um poema nosso
só terá fim
quando todas as órbitas
completarem-se nesse infinito laço

Karinna*

*********************************

Segundo Coração* Enfeita

pontuando saudades sela a feitura
de partida para um lugar de maciez para escondê-la
levo tua existência para não morrer tristeza
de vazios e espaços, serena
traço-te meu amor nas estrelas, infinitos pequenos
que debruam meu céu num abraço em gritos
levo-te como se transportasse inteiro e repleto
um segundo coração, deus ou poeta
oxigenando essa amorosidade ausente
sopro de vida que me povoa
que lapida a cumplicidade acima da noite
levo-te porque não há palavra um corpo
em demasia que verte a imagem espelhada
dos cântaros de barro da nossa poesia em gestos
levo-te no verso inacabado enorme segredo
porque um poema nosso sustentáculo da vida
só terá fim na pedra desfeita
quando todas as órbitas, súbitos olhos
completarem-se nesse infinito laço da certeza

Karinna* & Miguel Eduardo Gonçalves-

**********************************

Enfeita-

sela a feitura
para escondê-la
tristeza
serena
infinitos pequenos
em gritos
inteiro e repleto
deus ou poeta
ausente
que me povoa
acima da noite
um corpo
a imagem espelhada
em gestos
enorme segredo
sustentáculo da vida
na pedra desfeita
súbitos olhos
da certeza

Miguel Eduardo Gonçalves-
**
*

Nenhum comentário: