Sobre o Blog...

Encontro poético em que inexiste a cronologia dos poemas. Pensamos em deixar registrada uma obra que reúna qualidades individuais sob um mesmo timbre, nossa marca entendida lado a lado. Registro de luz em olhares gêmeos fecundados na sementeira do verso... Quatro mãos, uma Poesia, almas em parceria.
Miguel- & Karinna*

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Estrela Invisível*-


Estrela Invisível*-



sofro os olhares não dados / como numa tômbola
e o céu apenas traz um som / o gaze...
despovoado... / que ilude!
colho-te estrela invisível / espectativa
acarinho-te as pontas doloridas / da esperança
e sussurro-te- és prece de vida- / infinita
as certezas se foram com os raios / vida afora
e a tempestade acalmou a morte / qual bonança
sou apenas agora um dardo / na busca da estrela
o peito- nosso- lar ambíguo / faz-se parecer
a flecha que nunca se move / destino
em sete vezes sete sentidos...



Karinna* & Miguel Eduardo-



segunda-feira, 4 de julho de 2011

absurdos*


absurdos*

é dor branca e se há sofrer
trago-te na linha do infinito
do absurdo inequívoco
na densa bruma dos olhares rasgados
das sombras doridas
de um absurdo passado

viro-me do avesso nos teus líquidos
guardados em fogo puro
como brasas em litígios
as mãos distendidas denunciam
há mais que o percebido
há mais que o esquecido
nas palavras que se dão
nas lágrimas que padeço
no molhado do teu sorriso...

K*

absurdos*

força dirpersa
medo
o breve motivo
no disfarce
estagnação
que se equilibra

novos números
irmãs infinitas
em palavras
o incerto veio
submerso
na renúncia
por um segredo
acima da noite...
invenção distante!

M-

absurdos*

é dor branca e se há sofrer, força dirpersa
trago-te na linha do infinito medo
do absurdo inequívoco, o breve motivo
na densa bruma dos olhares rasgados no disfarce
das sombras doridas , estagnação
de um absurdo passado que se equilibra

viro-me do avesso nos teus líquidos, novos números
guardados em fogo puro, irmãs infinitas
como brasas em litígios, em palavras
as mãos distendidas denunciam o incerto veio
há mais que o percebido, submerso
há mais que o esquecido na renúncia
nas palavras que se dão por um segredo
nas lágrimas que padeço acima da noite...
no molhado do teu sorriso... invenção distante!

Karinna* & Miguel-