Sobre o Blog...

Encontro poético em que inexiste a cronologia dos poemas. Pensamos em deixar registrada uma obra que reúna qualidades individuais sob um mesmo timbre, nossa marca entendida lado a lado. Registro de luz em olhares gêmeos fecundados na sementeira do verso... Quatro mãos, uma Poesia, almas em parceria.
Miguel- & Karinna*

sábado, 7 de abril de 2012

-tempestade de silêncios- /-queria-te palavra perfeita e nua-



-tempestade de silêncios- /-queria-te palavra perfeita e nua-



queria que brotasse de mim a palavra/ em belíssimo corpo

que mordesse esse teu coração estridente/ como sinto

que tivesse a força do redemoinho/ numa paisagem diferente

do sal que pesa no mar/ a lágrima

das sensações que dançam nas pupilas/ que assim enfeita-se

nos olhares mareados- bailando luar.../ para além de nós...



queria que o silêncio falasse de ti/ segredo maior

do farfalhar dos teus sons que amo/ a cada voz

na linha pudica do verso transgressor/ que a distingue

na realeza das procelas das pétalas/ indomável

dos lírios que nascem no poema em flor.../ leve neblina...



queria que brotasse do meu olhar a palavra/ certeza repetida

que acendesse o luzeiro do teu afeto/ redimido

e de todas as preces recitadas com fé/ rumor da madrugada

com a quentura das estrelas de chumbo/ como cascatas

gritasse tua ânsia do depurar sentidos/ do mundo

em sentimentos de café.../ inesperadamente...



queria que a tempestade fustigasse teu rosto amado/ em cena mágica

e os cheiros de todas as pronúncias/ dos momentos roubados

fossem libertação pura/ afora os gritos

sem cobranças, sem defesas/ sem fronteiras

sem estúpidas renúncias.../ como a luz é verdadeira...



queria-te palavra perfeita e nua./ -alegria de pressentimentos-



Karinna* / Miguel-


Tela: Gauguim

2 comentários:

Miguel Eduardo Gonçalves disse...

Incomentável a oportunidade, assim, apenas posso agradecer pela grandiosidade de poder compartilhar deste momento precioso! BjK-

Karinna* disse...

*As letras com certeza perpetuarão esse entrelace cósmico que vivenciamos. Eu confesso-te: emociono-me.
BjM-
K*