Sobre o Blog...

Encontro poético em que inexiste a cronologia dos poemas. Pensamos em deixar registrada uma obra que reúna qualidades individuais sob um mesmo timbre, nossa marca entendida lado a lado. Registro de luz em olhares gêmeos fecundados na sementeira do verso... Quatro mãos, uma Poesia, almas em parceria.
Miguel- & Karinna*

sábado, 3 de agosto de 2013


Amado* / Amada-




Responda-me se tu puderes... / Será alma?

De onde virá essa gana em escrever-te? / Telepatia?

Ansiar-te é como modelar sonhos que nunca adormecem, / Sem ninguém a se intrometer,

Cantar-te é beber água límpida da vertente donde vieste. /Mente sobre a matéria é o que conta.

Escrevo-te como se morasse em tua aguerrida alma / Aquele clarão que encerra a eternidade

Mesmo que não te alcance em teus caminhos / Te sobrepujará,

Que meus versos não te toquem, não te aproximam. / Até involuntariamente...

Mas há essa saudade amorosa em meus ombros / Que mitiga espaço e tempo

E os dedos enchem-se da emoção da tua existência / Na esperança de cada palpitar

Os lábios em lilás acordam o desejo da tua presença. / Também o clima da imaginação.

E no abraçar-te assim... na utopia dos abraços / O dom vívido que arrebata,

Essa saudade do que não tenho me invade / Tão semelhante à realidade que traz,

Quando tua fronte guerreira no meu pensar faz claridade. / Será porque a primeira impressão foi a verdadeira,

Como então não escrever-te do meu desejo que te aguarda / Que não se consome como frágil voz

Do meu carinho que te chama e sussurra em tua alma? / E vive na ardorosa palavra que não jaz latente?

E nessa vigília infinda do meu querer te querer / Revela-se a fartura de um tesouro, creio,

Sempre despede-se a tristeza do meu olhar / E dele se priva até o tempo pelo sonho,

E no regaço morno da alegria acorda o som glorioso de te amar. / Inquieto vagar!

Nessas noites desejosas de ti as estrelas me buscam / Suavidade é o que espelhas,

Os beijos das minhas palavras pousam no teu peito / Influis no sossegar do coração

E a Lua...essa sombreada de amores / Como aquela rosa...

Na curva crescente... prostra-se em uma prece reverente / Saudade recidiva e tão premente

Na busca de um próximo encontro nosso, / É desejo infindo...

A Lua e a Vida espelham-se crentes / Objetivando a existência!

K* / M-

Um comentário:

marilandia disse...

Encontro de dois poetas de escol espelham os mais lindos versos de amor eterno.
Beijos aos dois.

Marilândia